quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Advogado Alexandre Assaiante repudia a imagem feita pela prefeitura de Pedreiras da Parada LGBT


“Me perdoe os organizadores, mas não concordo com ela, é uma imagem preconceituosa”



Na tarde de hoje (08) o advogado Alexandre Assaiante postou em suas redes sociais uma nota de repúdio pela imagem pela prefeitura de Pedreiras da Parada LGBT. Veja:


“Eis que olhando o Instagram eu me deparo com a imagem abaixo, publicada pela Prefeitura Municipal de Pedreiras, que, preconceituosamente, tenta reduzir a comunidade LGBT ao sexo desprotegido. Apesar da “arte” expor a programação do evento, coloca em destaque os preservativos, como quem diz: vocês que vão às ruas reivindicar direitos, amor e respeito, se protejam. USEM CAMISINHA.

É isso mesmo? Se for, me perdoem os organizadores, mas não há como concordar com essa forma de pensamento.

A discussão sobre a pauta LGBT não se resume às IST’s. O movimento da parada da diversidade surgiu para garantir direitos aos que, por sua condição sexual, são excluídos pelo sistema. As “paradas” servem portanto, para garantir a disponibilização de políticas públicas para a comunidade de gays, lésbicas, bissexuais e tantas outras categorias de gênero.

A nossa luta é pelo reconhecimento aos direitos que nos são garantidos (ou não) pelo Ordenamento Jurídico, não pelo sexo seguro. A vida de um LGBT não se resume a sexualidade, ainda que eu reconheça que esse deve ser uns dos itens do DEBATE.

É preciso pensar mais. É preciso pensar maior. A diversidade vai muito além do que o uso de uma camisinha.

Fica registrado meu repúdio à imagem.”



Alexandre Assaiante já foi Assessor de Consultoria do Poder da Prefeitura Municipal na gestão do prefeito Antônio França, porém pediu demissão, ele também é Presidente da Comissão de Diversidade Sexual da OAB – MA.

Um jovem conhecido pela sua inteligência, cordialidade, educação e luta pela igualdade e defesa dos homossexuais. Assaiante é dinâmico, articulado e pronto para debater qualquer assunto. Sempre envolvidos em projetos e causas sociais.

8 comentários:

  1. Me perdoe ele. Mas segundo as estatísticas, os maiores infectados por doenças sexualmente transmissíveis são os LGBTs. Classe que quer ter direito mais que os outros. Tem que usar camisinha mesmo, se não pega alguma doença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre Assaiante8 de agosto de 2018 16:46

      A camisinha na verdade deve ser usada por todos, não só por gays. Todos os que têm relações sexuais precisam se proteger. O HIV e as outras IST’s não escolhem cara. Elas podem ser transmitidas entre gays, heteros, pseudo heteros, bi, trans, etc. A proteção é essencial. Tanto é que não minha fala falei da importância do debate sobre ela. Releia o que escrevi.

      Abraços.

      Excluir
    2. A camisinha na verdade deve ser usada por todos, não só por gays. Todos os que têm relações sexuais precisam se proteger. O HIV e as outras IST’s não escolhem cara. Elas podem ser transmitidas entre gays, heteros, pseudo heteros, bi, trans, etc. A proteção é essencial. Tanto é que não minha fala falei da importância do debate sobre ela.

      Abraços.

      Alexandre Assaiante

      Excluir
    3. Ledo engano. Há muito tempo esse quadro mudou. Faça uma pesquisa. Em 2014 foi publicado no Globo os seguintes dados: Heterossexuais adultos representam a maior parcela nas novas notificações de infecção pelo vírus HIV. Em 2012, 67,5% dos casos informados pela rede de saúde pertenciam ao grupo de heterossexuais, sendo a maioria formada por mulheres, com 58,2%.
      De toda forma, todo mundo tem que usar camisinha. As estatísticas demonstram que DST's e HIV não escolhem pela orientação sexual.

      Excluir
  2. essa menino é um orgulho para Pedreiras. inteligente, humilde e querido por todos.

    ResponderExcluir
  3. Comprem me um bode por gentileza...com tantos assuntos relevantes pra se repudiar nessa desastrosa gestão, gestão essa diga se passagem que até meses atrás esse senhor ai ( me desculpe se o ofendo com o senhor) fazia parte dessa elite compactuando com os desmandos do gestor atual. E como já é do costume nesse meio sórdido da política, por uma razão ou outra não teve um desejo atendida passou de vidraça à pedra.
    Agora vê chifres na cabeça de todo cavalo.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite! Vamos começar esclarecendo um ponto.

    Se no seu entendimento a palavra “SENHOR”, no caso em questão um pronome de tratamento, se referir ao sexo masculino, faço questão de que mantenha o uso a meu respeito, pois, apesar de gay, EU SOU HOMEM, e, além de me ver como tal, carrego entre as pernas o órgão genital referente ao sexo.

    Dito isso eu preciso lhe explicar que apesar de ter feito parte por 10 meses do atual Governo, eu quase nunca compactuei com as posturas adotadas por ele (se tiver dúvidas pergunte aos que lá trabalhavam comigo). Isso tanto é verdade que, POR OPÇÃO, eu pedi pra sair, pois não fui preparado para trabalhar em um lugar que não se coaduna com minha forma de pensar e conhecimentos adquirimos sobre uma boa gestão pública.
    Além disso, entenda uma coisa, A PAUTA LGBT é tão importante quanto qualquer outra, pois exige ação e implementação de políticas públicas. Dessa forma, não venha me dizer que assunto A é mais importante que assunto B, por que não é.
    Se não tens conhecimento sobre gestão, política de inclusão, Constituição Federal, e espaço de poder, me procure, terei prazer de debater isso contigo.

    Abraços e boa noite.

    Ps: pra não parecer covardia, faço esse comentário expondo meu nome.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Xand. me sinto representado por ti. Sinto orgulho de vc.

    ResponderExcluir